A Ciência atua do muito pequeno ao muito grande.

A Ciência atua do muito pequeno ao muito grande.

Seja Bem-Vindo

Este blog é de conteúdo totalmente científico e educativo. É constituído por artigos científicos ou relacionados à variados campos do saber (como política, filosofia ou sociologia, entre outros) que têm como objetivo a divulgação do conhecimento.


"O poder da humanidade que criou este imenso campo do saber há de ter forças para levá-lo ao bom caminho". (Bertrand Russel, filósofo e matemático inglês do século XX)



quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Moléculas Alotrópicas







Alotropia é a propriedade pala qual um mesmo elemento químico pode formar duas ou mais substâncias simples diferentes, que são denominadas variedades alotrópicas do elemento. Substância simples são aquelas que têm em sua formação um único elemento químico. As variedades alotrópicas podem diferir quanto à quantidade de átomos (atomicidade) e à sua estrutura.



Algumas variedades alotrópicas:



Oxigênio:



No oxigênio comum (O2), os átomos unem-se dois a dois, formando as chamadas moléculas biatômicas. O O2 encontra-se, á temperatura ambiente (cerca de 20° C), no estado gasoso e está presente na atmosfera terrestre como componente do ar, tendo importância vital para a vida animal e vegetal. Uma propriedade extremamente importante desse gás é que alimenta todas as reações de combustão e, sendo por este motivo, denominado comburente: sem o oxigênio não ocorre nanhuma combustão. Já no ozônio (O3), os átomos unem-se três a tr~es, formando moléculas triatômicas. À temperatura ambiente, o O3 se encontra como um gás azul-claro e apresenta odor intenso e característico, que pode ser sentido após tempestades com descargas elétricas e também próximo a equimamentos de alta voltagem.



Carbono:



Diamante: cada átomo de carbono está ligado a quatro outros átomos de carbono não contidos num mesmo plano. Uma propriedade física do diamante é a dureza, ou seja, a capacidade de riscar qualquer outra substância natural.



Grafita: apresenta uma estrutura formada por anéis hexagonais contidos num mesmo plano, formando lâminas.



Fulereno: Em 1984, o cientista americano Richard Smalley, da Universidade de Prince, descobriu variedades alotrópicas do carbono, que foram denominadas fulerenos. O primeiro registro das formas mais comuns da nova molécula foi obtido no microscópio de tunelamento da IBM, em Almaden, Estados Unidos da América. São moléculas que podem ter um número muito grande de átomos de carbono, formando esferas.



Enxofre: Embora os cristais das duas variedades alotrópicas sejam diferentes, ambas são formadas por anéis com oito átomos interligados entre si.



Rômbico: É a variedade alotrópica mais comum, que aparece na forma de cristais amarelos e transparentes.



Monoclínico: Apresenta-se na forma de cristais opacos com formato de agulhas, encontrados em regiões vulcânicas.



Fósforo:
Fosfóro branco: É formado por ligações de quatro átomos de fósforo. Sua fórmula é P4. Quando entra em contato com o oxigênio, rapidamente entra em combustão. Por ser altamente instável e reativo, deve ser guardado na água.

Fósforo vermelho: Não apresenta uma estrutura determinada, mas existem evidências de que ele é constituído por uma longa cadeia. Essa variedade alótropica e fósforo, representada pela fórmula Pn, Apresenta-se na forma sólida, com coloração que varia do vermelho ao violeta e é muito menos reativo que o P4.



Nenhum comentário:

Postar um comentário