A Ciência atua do muito pequeno ao muito grande.

A Ciência atua do muito pequeno ao muito grande.

Seja Bem-Vindo

Este blog é de conteúdo totalmente científico e educativo. É constituído por artigos científicos ou relacionados à variados campos do saber (como política, filosofia ou sociologia, entre outros) que têm como objetivo a divulgação do conhecimento.


"O poder da humanidade que criou este imenso campo do saber há de ter forças para levá-lo ao bom caminho". (Bertrand Russel, filósofo e matemático inglês do século XX)



terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Buracos Negros


Adicionar vídeo




Em uma estrela, toda sua energia é criada por reações de fusão nuclear: nucleos de hidrigênio (deutério e tritio) vão se unindo dois a dois formando nucleos de hélio (He-4). Nessa união, ocorre a irradiação de uma quantidade imensa de energia (muito maior que na fissão nuclear, em que ocorre a desintegração dos nucleos). Com isso a estrela vai consumindo toda a energia que ela mesma produz. Quando uma estrela de massa relativamente grande consome toda a sua energia, seu nucleo, por atração gravitacional, se contrai, acarretando em uma expansão de sua massa (acarretado por repulsão elétrica entre os átomos). Com isso, seu volume cresce fazendo com que ela entre em um estado denominado estado de gigante vermelha. Após um certo período de tempo, ela se expande a ponto de explodir, entrando em um estado denominado estado de super-nova. Isso pode formar uma ruptura no espaço, que tem um campo gravitacional tão intenso a ponto de atrair para seu interior até a própria luz. Esta esta ruptura é denominada buraco negro. O Sol, sendo ele uma estrela, também um dia vai consumir toda a sua energia, atingindo um volume que passará até da órbita terrestre. Porém, pela "pequena" massa do Sol, temos certeza de que ele não poderá se transformar em um buraco negro. E podemos ficar despreocupados, pois isso só vai acontecer, aproximadamente, daqui a 5 bilhões de anos. Estrelas muito pequenas consomem toda a sua energia e entram em um estado denominado anã vermelha, que é uma estrela avermelhada e pouco brilhante. Os cientistas afirmam que, após este estado, toda a sua energia que resta é consumida até elas entrarem em um estado denominado anã negra, que é uma massa pequena, escura e sem brilho. Porém, não podemos afirmar isso com grande certeza, pois, pela idade do universo, ainda não tivemos a oportunidade de observar nenhuma anã negra.

Atualmente sabemos que podem vir a existir "mini buracos negros" e que os buracos negros irradiam ondas eletromagnéticas, como raios X.

Nenhum comentário:

Postar um comentário