A Ciência atua do muito pequeno ao muito grande.

A Ciência atua do muito pequeno ao muito grande.

Seja Bem-Vindo

Este blog é de conteúdo totalmente científico e educativo. É constituído por artigos científicos ou relacionados à variados campos do saber (como política, filosofia ou sociologia, entre outros) que têm como objetivo a divulgação do conhecimento.


"O poder da humanidade que criou este imenso campo do saber há de ter forças para levá-lo ao bom caminho". (Bertrand Russel, filósofo e matemático inglês do século XX)



quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Homenagem à Albert Einstein







Com certeza Albert Einstein foi um dos maiores cientistas de todos os tempos, com um renome comparado ao de Sir Isaac Newton (1642-1727) e Galileu Galilei (1564-1642). Postulou as bases para a vasta Teoria da Relatividade, enunciou o efeito fotoelétrico, explicou o movimento browniano e criou o início para a inacabada Teoria do Campo Unificado. Teve alguns problemas com os nazistas, mas nunca perdeu sua postura de grande cientista.



Albert Einstein nasceu em 14 de março de 1879 na pacata cidade do Sul da Alemanha, Ulm. Sua infância, porém, seria passada em Munique, para onde seu pai, Hermann Einstein, transferira sua loja de artigos elétricos. Ali Albert realizou seus primeiros estudos. Durante o curso secundário, não adaptando-se aos métodos rígidos e mecânicos que caracterizavam o ensino da época, desenvolveu um crescente desinteresse pelas atividades escolares. Para muitos professores, o jovem não passava de um estudante medíocre. Cedo, porém, o "estudante medíocre" tivera sua curiosidade despertada pela ciência: aos cinco anos, presenteado com uma bússola, Einstein sentira a excitação da descoberta, maravilhando-se com o nobre instrumento. É ele mesmo quem analisa esta emoção, que "parece nascer quando uma experiência vem desmentir um mundo de concepções já suficientemente arraigadas em nós. Sempre que uma tal contradição é sentida com força e intensidade, experimentamos uma reação decisiva de maneira de interpretar o mundo. O desenvolvimento dessa interpretação é, em certo sentido, como um vôo contínuo a partir da surpresa". E Albert não parou mais de se maravilhar. Seu tio Jacob, competente engenheiro, despertou-lhe o interesse pela Matemática. Dizia ao sobrinho: "A álgebra é uma ciência muito interessante. Nela se vai à caça de um animal de que não se sabe o nome e que se designa por x; quando o caçador o agarro, dá-lhe o verdadeiro nome". Mudou-se com a família para Milão, onde, atendendo aos insistentes apelos do pai - que se achava à beira da falência e pedia que terminasse logo os estudos para arranjar emprego - acabou por ingressar na Escola Politécnina de Zurique, na Suíça alemã, formando-se em 1900. Aí conheceu uma estudante húngara, Milena Maritsch, sua primeira esposa, com a qual teria dois filhos.



No seu terceiro trabalho de 1905, intitulado Sobre a Eletrodinâmica dos Corpos em Movimento, eram lançadas as bases da Teoria da Relatividade Restrita, que abriria novos caminhos para o desenvolvimento teórico da Física.



Já no século XIX, esboçava-se a grande revolução científica que daria origem a Teoria da Relatividade. Seus primórdios podem ser encontrados nos trabalhos do grande físico escocês James Clerk Maxwell (1831-1879) que, em meados desse mesmo século, previa teoricamente a existência das ondas eletromagnéticas, que deveriam se propagar com a velocidade da luz (isto é, 300 000 km/s). Em 1888, o físico alemão Heinrich Rudolf Hertz (1857-1894) conseguiu produzir tais ondas em seu laboratório, mostrando que elas podem ser geradas, detectadas, refletidas e refratadas, bem como interferir entre si. Suas observações também comprovaram que a luz é uma onda eletromagnética, ou seja, possui natureza ondulatória. Essa descoberta trouxe a tona um problema: na teoria newtoniana, uma onda é o produto da vibração de um meio material. As ondas que formam-se na água, por exemplo, resultam de uma oscilação que, ao se propagar, afeta as moléculas do líquido. Ora, se a luz é uma onda, é necessário que o espaço seja preenchido por alguma substância que possa oscilar; do contrário, a luz solar não poderia alcançar a Terra. A essa substância deu-se o nome de éter.



O ano de 1905 com certeza foi um dos mais produtivos de Einstein, pois pôde produzir a maior parte de sua obra científica que o imortalizaria: três trabalhos publicados. O primeiro versava sobre o efeito fotoelétrico que lhe rendeu o Prêmio Nobel de Física, em 1921. O segundo, sobre o movimento browniano, não só provou de maneira irrefutável a teoria cinética do calor como forneceu a melhor prova "direta" da existência das moléculas.



Para obter o Princípio de Relatividade restrita de Einstein, deve-se acrescentar ao diálogo de Galileu apresentado em sua obra Sobre os Dois Grandes Sistemas do Mundo: "Tranque-se com algum amigo...", levando consigo lanternas, imãs, bobinas elétricas e outros instrumentos eletromagnéticos. A propagação da luz, a interação dos imãs, cargas e correntes elétricas não porão em evidência se o navio está parado ou em movimento retilíneo com velocidade constante. Einstein introduzio, ainda, um princípio adicional: "A velocidade da luz, no espaço vazio, tem um valor constante c, independente do movimento da fonte e do movimento do observador (Princípio da Constância da Velocidade da Luz). Esses princípios equivalem a aceitar o resultado negativo da experiência de Michelson-Morley e afirmar que o éter não existe.



Além disso, a grande inovação da teoria da relatividade são as modificações que ela introduz nos conceitos de tempo e comprimento dos corpos, afirmando que - conforme o referencial usado para medir essas grandezas - o tempo se dilata e os comprimentos se contraem.



Também devemos a Albert Einstein uma outra conhecida consequência da Teoria da Relatividade, que afirma que a massa é uma fonte de energia e, que se um corpo de massa m se aproximar ou superar a velocidade da luz c(o que é teoricamente impossível segundo o próprio Einstein) toda a sua massa iria se tranformar em energia E, que será igual ao produto de sua massa m multiplicado pelo quadrado da velocidade da luz c, somado com a sua energia cinética K adquirida . Daí a famosa equação E = mc². Esta equação enuncia a energia constante que esse corpo possui, pois sua energia total será igual à E = mc² + K.



Atualmente Albert Einstein é consagrado como um dos maiores cientistas de todos os tempos, por suas ideias estruturarem todo um novo sistema de raciocínio.



Nenhum comentário:

Postar um comentário