A Ciência atua do muito pequeno ao muito grande.

A Ciência atua do muito pequeno ao muito grande.

Seja Bem-Vindo

Este blog é de conteúdo totalmente científico e educativo. É constituído por artigos científicos ou relacionados à variados campos do saber (como política, filosofia ou sociologia, entre outros) que têm como objetivo a divulgação do conhecimento.


"O poder da humanidade que criou este imenso campo do saber há de ter forças para levá-lo ao bom caminho". (Bertrand Russel, filósofo e matemático inglês do século XX)



sábado, 3 de abril de 2010

Proteínas e Aminoácidos







As proteínas são componentes fundamentais e cruciais de todos os seres vivos. Mesmo os vírus e outros microorganismos, as formas mais simplórias de vida, contêm proteínas em sua rede estrutural. Devemos a descoberta das proteínas ao farmacologista e bioquímico norte-americano Alfred Goodman Gilman (nasc. 1941). Moléculas de proteína são constituídas por dezenas ou mesmo centenas de moléculas menores, os chamados aminoácidos, ligados em seqüência como elos de uma corrente. Uma proteína pode ser definida, portanto, como uma seqüência de aminoácidos encadeados. As moléculas de proteína são relativamente grandes, quando comparadas com moléculas de outras substâncias. Por tal motivo, são classificadas, juntamente com algumas outras substâncias orgânicas, na categoria de macromoléculas (do grego makros, que significa grande).


Um aminoácido é uma molécula orgânica formada por átomos de carbono (C), hidrogênio (H), oxigênio (O) e nitrogênio (N). Alguns tipos de aminoácidos podem conter, além desses, átomos de enxofre (S). Ao analisar as fórmulas dos 20 tipos de aminoácidos que podem estar presentes nas proteínas, nota-se que, em todas, há um átomo de carbono que ocupa posição central na molécula (o chamado carbono alfa). A esse átomo de carbono ligam-se quatro grupos de átomos, três dos quais são iguais em todos os aminoácidos: um hidrogênio (-H), um grupo amina (-NH2) e um grupo carboxílico (-COOH). O termo aminoácido deve-se justamente à presença desses agrupamentos típicos na molécula. Os aminoácidos diferem por um único grupo de átomos, denominado genericamente como radial (representado comumente por R), que faz a quarta ligação com o carbono central. No aminoácido do tipo glicina, por exemplo, o R é um átomo de hidrogênio; no aminoácido do tipo alanina, o R é um agrupamento de três átomos (-CH3); já no aminoácido do tipo cisteína, o R contém cinco átomos, sendo um deles o enxofre (-CH2SH).


Todo o ser vivo necessita de 20 tipos de aminoácido para fabricar suas proteínas. Algumas espécies são capazes de fabricar todos esses aminoácidos, e não precisam obtê-los na alimentação variada. Outras espécies, entre elas os seres humanos, não conseguem sintetizar alguns dos tipos de aminoácidos e, por tal razão, têm de recebê-los nos alimentos. Os aminoácidos que um organismo não tem a capacidade de sintetizar são chamados aminoácidos essenciais. Já os aminoácidos que o organismo tem a capacidade de sintetizar a partir de outras substâncias que ingere são chamados de aminoácidos naturais ou aminoácidos não-essenciais.

Um comentário:

  1. Era uma vez uma discursão no yahoo, sobre criacionismo e evolução, qd certo individuo respondeu assim:
    Eu Acredito que fomos criados pq do ponto de vista do evolucionismo para produzir uma proteína seria necessário add um aminoácido por segundo sem parar nunca, levando em conta q não desse erro, levaria cerca 10 elevado a 23 anos para obter essa proteína ou seja 10000000000000000000000000000000000 anos de formação para UMA PROTEÍNA simples. Isso é mais tempo do que se tem conhecimento da existência do universo.

    Isso é verdade? jah que vc disse que uma proteina era formada apenas por dezenas ou centenas de aminoacidos. envie um email pra mim plx. vlw

    ResponderExcluir