A Ciência atua do muito pequeno ao muito grande.

A Ciência atua do muito pequeno ao muito grande.

Seja Bem-Vindo

Este blog é de conteúdo totalmente científico e educativo. É constituído por artigos científicos ou relacionados à variados campos do saber (como política, filosofia ou sociologia, entre outros) que têm como objetivo a divulgação do conhecimento.


"O poder da humanidade que criou este imenso campo do saber há de ter forças para levá-lo ao bom caminho". (Bertrand Russel, filósofo e matemático inglês do século XX)



quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Descobrindo Elementos Químicos







Por definição, elementos químicos são átomos de mesma propriedades químicas. Ou, em uma linguagem um tanto mais científica, elemento químico são um conjunto de átomos de mesmo número atômico (representado pela letra Z). Número atômico é o número de prótons encontrados no núcleo atômico. Além do número atômico, os elementos químicos têm uma outra propriedade muito interessante denominada número de massa (representado pela letra A). O número de massa é o número de partículas constituintes do núcleo atômico (sendo prótons e nêutrons). É importante salientar que existem elementos químicos denominados isótopos. Isótopos são elementos químicos de mesmo número atômico, porém, com diferentes número de massa. Por exemplo, o elemento hidrogênio (símbolo H) tem um número atômico 1 (pois tem um único próton em seu núcleo) e um número de massa também 1, pois seu núcleo é constituído por um único próton. Porém, o elemento hidrogênio tem dois isótopos, que se distinguem do hidrogênio apenas por terem número de massa diferente. São eles: o deutério (símbolo D) e o trítio (símbolo T). O deutério, além de um próton, tem em seu núcleo um nêutron, o que faz com que ele tenha número de massa 2; já o trítio, além do próton, tem mais dois nêutrons em seu núcleo, o que faz com que ele tenha número de massa 3. A seguir, estarei apresentando a história da descoberta de alguns elementos químicos e suas propriedades. É importante citar que os elementos químicos na Tabela Periódica se dividem em famílias e classes. As classes são hidrogênio, metal, semi-metal, ametal e gás nobre.


O hidrogênio foi descoberto no 1766 pelo químico inglês Henry Cavendish (1731-1810). Inicialmente, Cavendish denomina o hidrogênio de flogístico ou "ar inflamável". O hidrogênio, à temperatura ambiente, encontra-se no estado gasoso. A palavra hidrogênio deriva do grego hýdor, que significa água, e genós, que significa geração.

No ano de 1772, o químico escocês Daniel Rutherford (1749-1819) descobriu o elemento nitrogênio (símbolo N). O gás recebe só recebe o nome de nitrogênio em 1790. O nitrogênio é um elemento do tipo ametal, de número atômico 7 e número de massa 14. Se encontra à temperatura ambiente na forma gasosa. O nome nitrogênio deriva do grego nitrus, que significa salitre, e genós, que significa geração.


O químico holandês Johan Gadolin (1760-1852), em 1794 descobriu e isolou um mineral raro que continha o elemento yttrium (símbolo Y). O nome yttrium foi dado em homenagem a cidade natal de Gadolin, a cidade de Ytterby. O yttrium é um elemento químico do tipo metal, que à temperatura ambiente encontra-se sólido, com um número atômico 39 e um número de massa 88.


No ano de 1807, o grande químico inglês Sir Humphry Davi (1778-1829) descobriu um novo metal, o qual foi denominado potássio (símbolo K), quando aplica eletricidade a uma mistura de materiais químicos fundidos. O potássio é um elemento do tipo metal, que a temperatura ambiente encontra-se no estado sólido, que tem um número atômico 19 e um número de massa 39. A palavra potássio vem do inglês potashi, que foi a denominação dada ao novo metal naquela época.


Em 1811 o químico francês Bernard Courtois (1777-1838) acidentalmente adiciona ácido demais a um punhado de alga marinha na fábrica de salitre de seu pai e descobre o elemento iodo (símbolo I). O iodo é um elemento químico do tipo ametal, com um número atômico 54, um número de massa 126 e que à temperatura ambiente se encontra no estado gasoso.


No ano de 1825, o ilustre físico e químico dinamarquês Hans Christian Orsted (1777-1851) conseguiu produzir um pedaço sólido de alumínio (símbolo Al). O alumílio é um elemento químico do tipo metal, de número atômico 13, de número de massa 31 e se encontra à temperatura ambiente no estado sólido. O nome alumínio deriva do latim alumén.


Em 1868 os astrônomos Pierre Janssen (1824-1907) e Norman Lockyer (1836-1920) identificaram independentemente um novo elemento, o qual denominaram hélio (símbolo He), na atmosfera do Sol. O hélio é um elemento químico do tipo gás nobre, número atômico 2, número de massa 4 e se encontra à temperatura ambiente na forma gasosa. O nome hélio deriva do grego helium, que significa Sol, ou o Deus do Sol, pois foi encontrado na atmosfera do Sol.



Na Alemanha, no ano de 1886, o químico Clemens Winkler descobre o elemento germânio (símbolo Ge), que havia sido previsto na Tabela Periódica do químico e físico russo Dmitri Ivanovich Mendeleyev (1834-1907) em 1869. O germânio é um elemento químico do tipo semi-metal, de número atômico 32, número de massa 72 e encontra-se à temperatura ambiente na forma sólida. O nome germânio é em homenagem a terra natal de Clemens Winkler, a Germânia (Alemanha).


Em 1894, os cientistas ingleses John William Strutt, mais conhecido como Lord Reyleigh (1842-1919), e William Ramsay (1852-1916) descobriram o gás argônio (símbolo Ar). O argônio é um elemento químico do tipo gás nobre, de número atômico 18, número de massa 39 e se encontra à temperatura ambiente na forma gasosa.


Em 1910, nos Estados Unidos da América, o metalúrgico Matthew Hunter é o primeiro a produzir o elemento químico titânio (símbolo Ti) na forma de metal puro. O titânio é um elemento químico do tipo metal, de número atômico 22, de número de massa 47 que se encontra à temperatura ambiente na forma sólida.


Nenhum comentário:

Postar um comentário